Filosofia

A Assinatura de Colombo

sob o Aspecto Cabalístico
1

Cristóvão Colombo – é ponto de fé para mim – teve certos conhecimentos das chamadas ciências ocultas, quer adquiridos directamente nalguma associação secreta do tempo, onde estivesse filiado, quer tomadas dalgum iniciado na mesma sociedade, ou de qualquer amigo que cultivasse tais ciências. Dada a possível origem israelita de Colombo, é fácil supor como ele os pôde obter, porventura, dalgum íntimo que fosse conhecedor da Cabala.

*

*         *

A forma como Colombo extraiu das armas portuguesas o brasão que usava – descoberta por Patrocínio Ribeiro – indica, para mim, o dedo de pessoa acostumada a manejar assuntos referentes à Cabala. Pela primeira figura se verifica como Colombo fez a transformação de escudetes em âncoras.

 

 

Cada âncora foi construída sobre 5 pontos dispostos em cruz, fazendo passar por 3 pontos, respectivamente, o segmento rectilíneo e o segmento de curva, Assim:

 

 

Pode verificar-se o seguinte: a linha recta passa por 3 pontos (ternário); a linha curva passa, também, por 3 pontos (ternário). O número cabalístico 3 duas vezes repetido (3+3), uma das vezes para indicar uma linha recta e outra para indicar uma curva (linhas antagónicas) revela-nos o hexagrama:

Linha recta, passando por 3 pontos, pode significar:
Linha curva, passando por 3 pontos, pode significar:
Âncora, com 2 linhas antagónicas, pode significar:

Cada âncora equivale, pois, a um hexagrama. Cumpre ainda notar que os hexagramas são 5, e cada um deles tem o valor cabalístico de 6; teremos, pois:

6 x 5 = 30

3 + 0 = 3 

segundo uma simples operação cabalística.

Existe, portanto, no brasão de Colombo o número cabalístico 3. Existe, também, o 5, se considerarmos cada hexagrama uma unidade. Existe ainda o 7, porque, sendo 25 o número total de pontos sobre que os hexagramas foram construídos, obteremos, por uma operação:

2 + 5 = 7

Aliás, a disposição dos pontos em cruz já nos revela o quaternário, que pode corresponder ao hexagrama, representando a linha vertical o triângulo de vértice superior e a linha horizontal (antagónica da vertical), o triângulo de vértice inferior:

 

 

Sendo Colombo português, e de origem israelita porventura, é interessante constatar como ele, ou alguém por ele, conseguiu extrair do escudo das armas de Portugal um escudo novo, auxiliado pela Cabala.

Cumpre referir que a âncora, bem como o hexagrama, fazem parte do simbolismo de certos Ritos Rosacrucianos.

*

*         *

Passemos agora à assinatura de Colombo. É esta:

.S.

.S. A .S.

X  M  Y

XPOFERENS

Analisemos a parte superior da assinatura:

.S.

.S. A .S.

X  M  Y

Vemos 3 SSS dispostos segundo os vértices dum triângulo cada um deles ladeado por dois pontos:

.S.

.S.     .S.

Aqui se revela o ternário (3) e cada letra, ladeada por dois pontos, pode aludir às duas significações com que elas são usadas

na Maçonaria:

Saúde! Saúde! Saúde! Ou três vezes Saúde!

Ou então

Salus! Stabilitas! Sapientia!

Os 2 pontos juntos de cada S podem querer significar também, que se deve duplicar o triângulo, obtendo-se assim que apareça o hexagrama:

 

 

Se unirmos por três linhas as letras, 3 a 3, obteremos:

 

 

Revelando-se assim a cruz de 5 braços, que aparecem em certas associações herméticas, e que pode corresponder ao tetragrama, visto que é uma cruz.

O contorno da parte superior da assinatura é pentagonal, o que nos revela o pentagrama (5).

 

 

Se contarmos as letras desta figura verificaremos serem 7.

Temos, pois, na parte superior da assinatura, os números cabalísticos 3, 5, 7, o tetragrama e o hexagrama.

Na parte inferior da assinatura há 9 letras:

XPOFERENS

o que indica, talvez, da parte de Colombo, um grau de iniciação elevado pela apresentação deste número. O simbolismo, revelado na assinatura de Colombo, pertence a certos ritos rosacrucianos e pode também fazer parte das doutrinas secretas dos Templários.

Tenho razões para crer (o que seria longo expor aqui), que a Ordem do Templo, apesar de extinta no tempo de D. Diniz, subsistiu em Portugal, trabalhando activamente, porventura bem protegida, de forma a escapar às horrendas perseguições que os católicos apostólicos e romanos exerciam nos que não eram católicos, segundo a sua ortodoxia.

Barbosa Sueiro2

 

1 Por insistente solicitação de minha parte, o meu prezadíssimo amigo, talentoso publicista e distinto clínico Dr. Barbosa Sueiro, dignou-se fazer a análise da assinatura do descobridor da América, sob o ponto de vista do Ocultismo. Como não conheço nenhuma análise, neste género, com a devida vénia, reproduzo, na íntegra, o interessantíssimo trabalho de Barbosa Sueiro, que ficará como um valioso estudo sobre o carácter misterioso de Colombo, enriquecendo assim a vastíssima bibliografia colombina. O Autor.

N. da R.: Estudo publicado em A Nacionalidade Portuguesa de Cristovam Colombo, de Patrocínio Ribeiro; Lisboa, 1927. 2 O Prof. Barbosa Sueiro foi membro da Fraternidade Rosacruz. Profundo conhecedor da cabala e da astrologia, colaborou assiduamente nesta revista. Aqui publicou, por exemplo, nos anos trinta do século passado, um interessante, extenso e bem documentado trabalho sobre Moisés e os seus Símbolos. Usou o pseudónimo Norael.




[ Índice ]